FINALIDADE DO BLOG

Humanistas é um espaço para os professores de Humanas e educandos, foi idealizado pela da Escola Raimundo Honório-PE, com o objetivo de interagir, compartilhar leituras, ideias e insights, promovendo a educação para além das paredes escolares.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

AS TRÊS GRANDES CONCEPÇÕES FILOSÓFICAS DE LIBERDADE





Concepções de Aristóteles e de Sartre
Na concepção aristotélica, a liberdade é o princípio para escolher entre alternativas possíveis, realizando-se como decisão e ato voluntário.

"Livre é aquele que tem em si mesmo princípio para agir ou não agir."
-Aristóteles
As Concepções de Aristóteles e de Sartre
Segundo Jean Paul Sartre, a liberdade é a escolha que o homem faz de seu próprio ser e do mundo.

Conformar-se é uma decisão livre, tanto quanto não se conformar, lutando contra as circunstâncias.

"Estamos condenados à liberdade."
- Sartre
A segunda concepção da liberdade foi, inicialmente desenvolvida por uma escola de Filosofia do período helenístico, o estoicismo, com os filósofos Espinosa e Georg W. F. Hegel.
Fortuna
A contigência (acaso) era representada pela Fortuna.
A roda da Fortuna era a inconstante, incerta e cega sendo pura sorte.
Moiras
As Moiras representavam a fatalidade, isto é, o destino inelutável de cada um de nós, do nascimento à morte.
Para os estoicos, o homem livre é aquele que age conforme a natureza – seguindo suas leis necessárias – e conforme a natureza do agente – seguindo uma vontade pessoal poderosa dirigida pela razão.
Para Hegel, o homem livre aparece de duas formas principais:
A liberdade humana coincide com o surgimento da cultura.

O homem livre faz sua aparição na história em dois momentos e um depende do outro. Primeiramente com o surgimento do homem cristão, o segundo é quando o indivíduo
Após a morte restam apenas saudade e recordação.
Viver e morrer são a descoberta da finitude humana.
A concepção ética que une necessidade e liberdade
Espinosa
Hegel
Vários filósofos deram à amizade o lugar de virtude proeminente, expressão do mais alto ideal de justiça.
O eu e o outro
Liberdade não é escolher e deliberar, mas agir ou fazer alguma coisa em conformidade com a natureza do agente que, no caso, é o todo
A concepção ética que une necessidade e liberdade
Diferente de Aristóteles e Sartre, não colocam a liberdade no ato de escolha realizado pela vontade individual, mas na atividade do todo, do qual os indivíduos são partes.

O todo pode ser a natureza, a substância ou o espírito como história.
A concepção ética que une necessidade e liberdade
Liberdade para escolher e para fazer
Liberdade para escolher e para fazer
Para Espinosa assim como o todo age livremente pela necessidade de sua essência, assim também o indivíduo livre age por necessidade de sua própria essência.

Somos livres quando o que somos o que sentimos, o que fazemos e o que pensamos exprime nossa força interna para existir e agir.
Liberdade para escolher e para fazer
desenvolve razão e vontade independente da natureza ou de coações externas.
Vida e Morte
Vida e morte são acontecimentos simbólicos, são significações, possuem sentido e fazem sentido.
Vida e Morte
Vida e Morte
Concluindo nosso percurso
Os valores éticos buscam eleminar a violência e procurar a felicidade.
Concluindo nosso percurso.

************************************************************

Com base nestas concepções de liberdade filosófica, interprete os pensamentos.


"A ação mais alta da vida livre é o nosso poder para avaliar os valores"
- Friedrich Nietzsche

''A prisão não são as grades, e a liberdade não é a rua; existem homens presos na rua e livres na prisão. É uma questão de consciência."
- Mahatma Gandhi

Fonte: http://prezi.com/afbwutwtrawr/tres-grandes-concepcoes-filosoficas-da-liberdade/

 Organização da postagem: Profª Lourdes Duarte 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE COMENTÁRIO, É IMPORTANTE SUA PARTICIPAÇÃO.OBRIGADA, VOLTE SEMPRE.