FINALIDADE DO BLOG

Humanistas é um espaço para os professores de Humanas e educandos, foi idealizado pela da Escola Raimundo Honório-PE, com o objetivo de interagir, compartilhar leituras, ideias e insights, promovendo a educação para além das paredes escolares.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

MITO DE MEDEIA







MITOLOGIA GREGA


Os mitos nos ajudam a entender as relações humanas e guarda em si a chave para o entendimento do mundo e da nossa mente analítica. A mitologia grega, repleta de lendas históricas e contos sobre deuses, deusas, batalhas heróicas e jornadas no mundo subterrâneo, revela-nos a mente humana e seus meandros multifacetados. Atemporais e eternos, os mitos estão presentes na vida de cada Ser humano, não importa em que tempo ou local. Somos todos, deuses e heróis de nossa própria história.




MEDÉIA


Medeia era filha do Eetes, rei de Cólquida, uma região da Grécia Antiga. Sobrinha da famosa feiticeira Circe, com quem passara parte de sua adolescência e aprendera a fazer sortilégios e encantos mágicos. Quando se tornou jovem, era cortejada por muitos pretendentes devido à sua inteligência, astúcia na arte da retórica e pela beleza admirável.

Então, vindo do reino de Iolcos, chega Jasão reivindicando seu prêmio, um velocino de ouro, por ter realizado um feito grandioso em sua terra. Não querendo contrariar os deuses, Eetes promete-lhe entregar o velocino desde que cumprisse algumas tarefas: teria de lavrar um campo com dois touros indomados e depois semear no campo lavrado os dentes de um dragão. Esta tarefa era difícil, mas Hera, protetora de Jasão, convence Afrodite a fazer com que Medeia se apaixone pelo herói. Como Eetes esperava que o herói morresse no campo a ser lavrado, Medeia, adivinhando as intenções do pai, passa a ajudar seu amado, combinando com ele ser sua esposa.

Primeiro lhe oferece um unguento para conseguir domar os touros e arar o campo. Depois o adverte que dos dentes semeados nasceriam soldados imbatíveis e que deveria rolar uma grande pedra entre eles, para que ficassem confusos e matassem uns aos outros numa discussão sobre quem atirara a pedra. Assim, Jasão, executando facilmente as tarefas, voltou a reclamar o velo a si. Eetes fica furioso e tenta incendiar o barco de Jasão, mas Medeia prepara uma poção poderosa que fez o dragão que guardava o velo adormecer. Então, o herói pega seu prêmio e foge com a amada em direção à sua terra.

Na fuga, Medeia leva consigo seu irmão Apsirto e sabendo que seu pai não tardaria a vir em seu encalço, manda matá-lo e esquartejá-lo, jogando os pedaços do seu corpo no mar. Isso atrasaria o intento de seu pai, pois ele recolheria os restos de seu filho para lhe dar um enterro decente. Sabendo do crime, Zeus fica furioso, desvia a nau da rota e a orienta para a ilha onde habitava Circe, pois deveriam ser purificados em um ritual. Circe os purifica, mas se recusa a manter Jasão em sua ilha.

Ambos se dirigem à Iolco e lá têm de enfrentar Pélias, o rei tirano que havia enviado Jasão à Cólquida reclamar seu prêmio e esperava que ele falhasse. De novo, Medeia, não titubeando em ajudar seu amado, engendra um plano absurdo: torna-se amiga das filhas do rei e diz-lhes que é capaz de rejuvenescer quem ela quisesse. Então, mata e esquarteja um velho carneiro e coloca suas parte num grande caldeirão, onde fervia uma poção. Em seguida, retira-o do caldeirão vivo e rejuvenescido. As filhas do rei, vendo essa proeza, correm a esquartejar o velho pai e a lançar os seus pedaços dentro do caldeirão. Claro que ele não saiu de lá com vida e o incidente fez com que o casal tivesse de fugir às pressas para Corinto.

A paz de Medeia não durou muito lá, pois o rei Creonte, com base em intrigas, convence Jasão a abandonar a esposa e casar-se com sua filha Creúsa, além de obter muitos privilégios na corte. Inconformada com a traição de Jasão, a quem dera dois filhos e o ajudara a se livrar várias vezes da morte, trama ardilosamente sua vingança: faz chegar às mãos de Creúsa um lindo vestido de noiva e algumas jóias. Assim que a princesa veste o presente, seu corpo se incendeia. O rei, aterrorizado e vendo sua filha consumir-se em chamas, tenta salvá-la e se incendeia também, morrendo carbonizado.

Medeia teve de abandonar a cidade e, na fuga, não teve tempo de levar seus filhos, que acabaram sendo apedrejados até a morte pela família de Creonte, ante os olhos insensíveis do pai. Mesmo assim, foi acusada de infanticídio, por um ato de fria e premeditada vingança em relação ao marido infiel.

Retornando a Cólquida, Medeia conhece Medo, com quem se une e passa a viver mais tranquila. Mas ficam sabendo que seu pai, o rei Eetes havia sido deposto por seu tio Perses. Medo mata o rei usurpador e estende o território do reino, que passou a se chamar Média. E foi lá que Medeia viveu o resto de seus dias, tranquila, mas sem nunca esquecer o volúvel Jasão.

Sendo uma das mais belas tragédias gregas, Medeia rendeu muita discussão no campo da psicologia. Influenciou a escultura e a pintura, tanto do Renascimento quanto de movimentos posteriores. A versão de Eurípedes, escritor e teatrólogo grego, possibilitou inúmeras versões e adaptações no teatro, no cinema e na literatura, principalmente a parte de sua história onde é abandonada por Jasão e tem de deixar os filhos à própria sorte. A tragédia retrata drama do amor incondicional de Medeia pelo herói sem caráter Jasão.


O mito de Medéia apresenta o retrato psicológico de uma mulher carregada de amor e ódio a um só tempo. Ela é apresentada como um tipo de personagem na tragédia grega como esposa repudiada, abandonada e estrangeira perseguida. Ela se rebela contra o mundo que a rodeia, rejeitando o conformismo tradicional e tomada de fúria terrível, ela assume a vingança como meta para automodificar-se e usa seu poder de persuasão e suas palavras como armas.


A juventude impetuosa de Jasão o fazia aceitar todas as missões consideradas difíceis, ou seja, ele se sentia atraido pelos desafios e obstáculos, dando mais valor às impossibilidades de suas aventuras. Medéia, apresentada como feiticeira, muitas vezes ligada à deusa Hécate - deusa da bruxaria, na verdade simboliza a mulher jovem que, apesar da juventude, já dominou seus impulsos e aprendeu a dominar a arte de viver e resolver problemas, mesmo aqueles dificeis.

Vista como uma das figuras femininas mais impressionantes da dramaturgia universal, Medéia narra o drama da mulher que deixa tudo: sua pátria, sua família e seus sonhos para seguir ao lado de um grande amor. Jasão era o seu objeto amado e de sua extrema dedicação. Ela era capaz de qualquer atitude para atender os interesses e caprichos do seu amado.

Com sua maturidade, ao facilitar os caminhos e resolver todos os problemas de Jasão, Medéia foi abandonada, pois Jasão não encontrava mais desafios e aventuras. Medéia tinha todas as respostas, mas Jasão já não encontrava desafios a vencer. Jasão vivia ansioso pelas aventuras e Medéia lhe oferecia a estabilidade de um trono onde ele já não encontrava estímulos variados. De fato, Medeia tivera sido apenas parte de suas aventuras. Inconformada, Medeia quis vingar-se.

Em alguns casos, mães que não se recuperam dos efeitos da gravidez podem sofrer de algum transtorno mental que a leva a maltratar seu filho recem-nascido. Em outros casos, são os filhos ilegítimos indesejados que se tornam vítimas de crueldade. Há ainda outro fato cruel, é aquele em que o ódio é deslocado para as crianças como forma de retaliação. Essas crueldades são denominadas como Complexo de Medeia.

Não são raros os casos daqueles que para vingar-se, maltratam seus próprios filhos ou os enteados como uma forma de provocar uma imensa dor em quem o rejeitou. O Complexo de Medéia é encontrado tanto nos filmes como na vida real, no qual aquele que foi rejeitado direciona sua atenção furiosa para a nova parceira ou novo parceiro do seu ex-amor como também às crianças envolvidas na trama. A história do relacionamento dos pais tende a revelar um ambiente hostil, cheio de conflitos, com atos violentos de um ou ambos, sendo uma das principais motivações para os conflitos e o assassinato, o ciúme e suspeitas de infidelidade.

A retaliação por parte dos homens parece ser uma extensão natural de seu poder e controle sobre a família e o relacionamento sexual. Quando a mulher abandona o homem para iniciar ou não outro relacionamento, ele percebe isso como um desafio à sua autoridade e masculinidade. Os homens são muito mais propensos à retaliação do que as mulheres. Além disso, os homens apresentam maior probabilidade de causar injúrias mais sérias. As mulheres apresentam comportamento retaliador devido ao ressentimento, pela falta de poder no relacionamento.

Quando acontecem os divórcios, alguns pais ou mães iniciam um processo de destruição do ex-parceiro ou parceira. Sofrendo de uma espécie de Complexo de Medéia, para fazer o outro sofrer, passam a matar emocionalmente e psicologicamente os filhos. Assim, dificultam o relacionamento entre o pai ou a mãe com os filhos, interferem, mentem, escondem, manipulam até à exaustão as mentes e emoções dos filhos e ainda se fazem de vítimas. O fato é que tais atitudes interferem negativamente no desenvolvimento da criança mas isso não parece fazer parte das preocupações dos modernos pais e mães Medéias.

Uma mãe que põe as suas crianças contra o pai delas ou o pai que as coloca contra a mãe, provavelmente terá, pelo menos, comportamentos paranóicos de uma estrutura de personalidade psicótica ou borderline. Por não conseguir lidar com a perda, permanece com uma ligação ao ex-marido ou ex-esposa num íntimo sentimento de ódio e mantém as crianças amarradas por um profundo sentimento de lealdade consigo.

Parceiros e parceiras rejeitados podem usar os filhos para despertar compaixão ou usá-los como mini-espiões para lhes relatar a nova vida do ex-marido ou da ex-esposa. Para alimentar o ódio que sente, usam os filhos como fantoches e incitam os filhos a despertar ciúmes. Os filhos se tornam extensão de seus tentáculos e podem até mesmo usá-los para atrapalhar o novo relacionamento, usando o filho como um gancho para manter uma ligação com a família do ex-parceiro ou parceira, impondo sua presença em qualquer esfera onde possa penetrar. Expor os filhos a tamanha carga psicológica e desgaste pode causar grande desorientação nas crianças.

Outro aspecto do mito que realmente é bastante típico dos casos reais é a história de abuso físico e emocional no relacionamento: a violência doméstica que não se restringe apenas às agressões físicas, mas principalmente às atitudes de humilhação que um cônjuge submete o outro. Em muitos casos, as mulheres submetidas à violência doméstica preferem o silêncio do que enfrentar o homem por meio de ações judicias esperando que a situação algum dia se amenize. Na maioria dos casos, é apenas uma perversa ilusão.

No mundo atual, muitas pessoas vivem relações irreais e seguem iludidas. A longo prazo poderão descobrir que mais vale uma triste certeza do que uma prazerosa ilusão, pois, diante de uma certeza, toma-se decisões de mudanças; diante de uma prazerosa ilusão, segue-se perseguindo uma utopia...

Fonte: http://eventosmitologiagrega.blogspot.com




 Organização da postagem: Profª Lourdes Duarte


Um comentário:

  1. Já tinha lido sobre esse mito, mas não tão bom detalhado como aqui. Vi esse link em um face de uma amiga e vim ler mais sobre ele. Gostei muito do blog, bom trabalho.
    Célia Silva

    ResponderExcluir

DEIXE COMENTÁRIO, É IMPORTANTE SUA PARTICIPAÇÃO.OBRIGADA, VOLTE SEMPRE.