FINALIDADE DO BLOG

Humanistas é um espaço para os professores de Humanas e educandos, foi idealizado pela da Escola Raimundo Honório-PE, com o objetivo de interagir, compartilhar leituras, ideias e insights, promovendo a educação para além das paredes escolares.

terça-feira, 22 de julho de 2014

MITO ECOS E NARCISO




ECOS E NARCISO


Eco era uma bela ninfa e, como todas as outras, era responsável pelos cuidados de um vale, com um bosque, por onde corria um regato de águas límpidas. Possuía uma característica única: sua prolixidade. Aliás, falava e falava e inventava histórias que prendiam a todos que a ouviam. Com voz agradável, era sempre solicitada a falar e encantar suas companhias. Mas, ao contrário de outras que se divertiam às escondidas com Zeus, ela não tinha intenção de ter ninguém ao seu lado, apesar de ter muitos pretendentes. Sempre ajudava a deusa Ártemis em suas caçadas e entretinha as pessoas e os animais com sua voz encantadora e histórias sem fim, enquanto a deusa surpreendia suas caças. Sua beleza também a ajudava quando Afrodite a convidava a passear.

Um dia, Hera, a esposa de Zeus, desconfiada das saídas do marido com as ninfas, chamou-a para dar explicações. Enquanto ela falava e tentava distrair a deusa, o insaciável Zeus a traía com outra ninfa. Não deu outra, a vingativa Hera descobriu o ardil e condenou-a para sempre a nunca começar um diálogo e só repetir apenas as últimas palavras das frases que os outros diziam. Eco perdeu, assim, seu mais precioso dom. Tomada pela tristeza, passou a vagar pelo bosque, cada vez mais solitária e se escondendo de todos.

O regato que lhe cabia cuidar, em alguns trechos, era margeado por verdes campinas, onde os pastores vinham saciar a sede de suas cabras e ovelhas. Escondida, observava de longe as atividades daqueles mortais e a simplicidade de suas vidas. Foi quando notou que um deles tinha uma beleza tão divina que não lhe podia passar despercebida. Ao encontrar outras ninfas, ouviu que elas comentavam a respeito do jovem e belo pastor, que também nunca se apaixonara por ninguém e ainda se recusava a sair com elas. Seu nome era Narciso.

Esgueirando-se por entre as árvores, arbustos e rochas, todos os dias seguia os passos do pastor, de manhã ao entardecer. E a cada dia sentia-se mais e mais enamorada. Até que um dia Narciso notou que estava sendo seguido e perguntou quem estava lá. Sem poder lhe falar, Eco se mostrou e, mediante alguns gestos, tentou lhe explicar que o amava muito. Ele, não só não entendeu como a julgou louca, deu de ombros e saiu com seu rebanho o mais depressa dali.

Eco se retirou para o canto mais profundo daquele vale e chorou por muitos dias. Então, cansada de seu infortúnio, orou para Afrodite e implorou a ela que lhe tirasse a vida. Comovida por sua tristeza e por aquela voz tão doce e melancólica, a deusa se apiedou dela. Conversou com Ártemis e, juntas tramaram um plano para ajudar a pobre Eco. Roubariam um raio de Zeus e nele colocariam um encanto: aquele que o recebesse se apaixonaria perdidamente pela primeira pessoa que olhasse.

Combinaram com Eco que ficasse escondida e à espreita até que Narciso viesse dar de beber ao seu rebanho. Então, Ártemis, com sua mão certeira, atiraria o raio no pastor e Eco apareceria em sua frente. O plano era perfeito.

Todavia, assim que Ártemis lançou o raio em direção ao jovem, ele se debruçou sobre o regato para beber e viu sua própria imagem refletida na superfície da água. Foi a primeira pessoa que olhou e, pelo encanto, a primeira também por quem se apaixonou. Ficou a admirar aquela imagem até o escurecer e sem entender o que se lhe passava. Voltou para casa e, sem dormir, esperou que clareasse o dia. Correu depressa para o regato e continuou a olhar para aquele belo rosto.

Eco, inconformada, observava que todos os dias aquele rapaz vinha e se debruçava no mesmo lugar. Cada dia mais magro e pálido. Não comia mais e nem dormia. Abandonara o rebanho solto pelo campo. Definhou tanto que seu último ato foi cair desfalecido ao encontro do seu amor e submergir na fria água do regato.

Nenhum detalhe foi perdido pela pobre ninfa. Ela gentilmente recusou que as outras intercedessem por ela e também rejeitou a ajuda das deusas amigas. Mais uma vez se retirou para o interior do vale e, sabendo que não podia morrer, imaginou o seu eterno suplício. Nada mais fez e, sem comer, beber e dormir, também definhou. Tanto entristeceu e definhou que seu corpo começou a desaparecer, até que lhe sobrou apenas a bela voz, além da maldição de Hera, de repetir a última palavra de alguém.

Tomada de emoção e saudade daquela bela ninfa, Afrodite fez brotar, no lugar onde teria um encontro de amor, um arbusto muito verde, com flores de um azul sem igual e de perfume único.




Existem duas versões mais debatidas sobre o mito de Narciso. Uma, menos tradicional, oriunda do Poeta grego Pausânias, diz que Narciso teria uma irmã gêmea e que ela era o seu reflexo. Outra, considerada a versão original do mito, compreende que Narciso era uma das criaturas mais lindas já existentes. Por causa de sua beleza, as mulheres ficavam encantadas pelo jovem mancebo, filho de Cefiso e Liríope.

O nome Narciso (tema narkhé = torpor, como em narcótico para nós) já parece indicar o que sua existência significaria: sua beleza entorpece, atordoa, embaraça a todos aqueles por quem ela é vista. Mas também, por sua ascendência, Narciso tem estreita relação com a ideia de água, escoamento e fertilidade, por parte de pai, bem como mansidão, voz macia e leveza (por parte de mãe). Tudo isso influenciaria sua vida. Vejamos por quê.

Conta-se que, certa vez, Narciso passeava nos bosques. Perto dali, a ninfa ECO, que era uma tagarela incorrigível, acompanhava-o, admirando sua beleza, mas sem deixar que a notasse. Eco, em virtude de sua tagarelice, foi punida por Hera, esposa de Zeus, para que sempre repetisse os últimos sons que ouvisse (por isso, na física, chamamos de eco a reverberação do som). Por sua vez, Narciso, suspeitando de que estava sendo seguido, perguntou: “quem está aí?”. E ouviu: “Alguém aí?” Então, ele gritou novamente: “Por que foges de mim?”. E ouviu “foges de mim”. Até dizer “Juntemo-nos aqui” e ter como resposta “juntemo-nos aqui”. Toda essa repetição acabou deixando Narciso angustiado por desejar amar algo que não poderia ver.

Dessa forma, Narciso entristeceu-se e foi à beira de um lago, onde, de modo surpreendente, deparou-se com sua imagem nos reflexos da água. Como nunca antes havia se olhado (pois sua mãe foi recomendada a não permitir que isso ocorresse), enamorou-se perdidamente, acreditando ser a pessoa com quem estava “dialogando”. Por isso, tentou buscar incessantemente o seu reflexo, imergindo nas águas nesse intento, mas acabou morrendo afogado. A ninfa Eco sentiu-se culpada e transformou-se em um rochedo, vivendo a emitir os últimos sons que ouve. Do fundo da lagoa, surgiu a flor que recebeu o nome de Narciso e tem as suas características.

O mito de Narciso e Eco é, até hoje, estudado pelos psicólogos e filósofos. Alguns explicam que o alter ego, isto é, o outro que nos completa, é buscado fora de si, mas sempre como um retorno a si mesmo.  Essa compreensão mostra o quanto somos egoístas em relação às nossas necessidades, a ponto de ser possível uma relação entre um mito da Antiguidade e as sociedades de consumo do sistema capitalista de produção. Isso porque nesse sistema vivemos em busca de preencher o vazio libidinal que nos atormenta, redirecionando nossas pulsões sexuais para a satisfação na aquisição de bens. Ora, é essa tentativa de satisfação que promove um individualismo exarcebado no mundo contemporâneo, sendo, por isso, apelidado de sociedade narcisista.

Por João Francisco P. Cabral


 Organização da postagem: Profª Lourdes Duarte

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE COMENTÁRIO, É IMPORTANTE SUA PARTICIPAÇÃO.OBRIGADA, VOLTE SEMPRE.